Amadeus – O homem, o músico e o gênio.

Filmes

Filme agraciado de vários prêmios, conta com a direção de Miloš Forman. Lançado em 1984 é um dos dramas mais aclamados pela critica, e de um enredo sensacional.

Se você tem interesse por filmes clássicos com toda certeza já ouviu falar de Amadeus. Com um cenário encantador e um figurino para lá de “bafônico”, o filme se passa na época dos imperadores e reis na Áustria, onde um dos músicos favoritos da corte, Antonio Salieri (F. Murray Abraham) secretamente tem amor e ódio por Wolfgang Amadeus Mozart (Tom Hulce). O filme também possui uma coloração trabalhada que nos permite associar o cenário com os momentos de humor e drama.

Apesar de ser um longa metragem consideravelmente longo, a obra nos mantém focados na tela com muito humor, simplesmente porque Wolfgang que é agraciado por tanta graça como diz Salieri, é um dos homens mais pecaminosos que poderia existir, e eu pessoalmente acho que ele tem tem a melhor risada do cinema, segue a seguir:

Mas não é só o humor que me fez amar esse filme, mas seu enredo.

Salieri dedicou sua vida a música e sua devoção a Deus, em troca Deus lhe daria o talento para ser um grande músico, mas tudo isso mudou quando ele conhece Wolfgang que tinha um talento magnifico. Isso gera inveja e ódio dentro de Salieri, que se faz inimigo de Deus e sua crianção (Wolfgang), e então ele usa toda a sua influência na corte para que Heer Mozart falhe em todos os aspectos, tanto quanto em sua vida familiar, financeira e social.

O que mais me chama atenção foi a devoção que Salieri mostrou pela música de seu jovem adversário, ele reconhecia que admirava qualquer trabalho feito por Wolfgang, assim o filme passa a ser uma ode ao talento de Mozart, e mesmo que ele se esforçasse para sabotar o dom de Heer Mozart, sua adoração acabava atrapalhando seus planos.

 

No final o jovem Wolfgang no seu leito de morte revela que tudo que ele esperava era a aprovação do grande Antonio Salieri, que acaba se rendendo ao seu amor pela música de Heer Mozart.

Salieri narra toda essa história em sua velhice, se confessando para um padre. E a cena final sem duvida é a melhor. Pois Salieri demonstra o horror da mediocridade, onde ele passa 32 anos observando sua música desaparecer, aquilo que ele dedicou sua vida toda, enquanto Deus matou sua própria crianção para não deixar a mediocridade tomar uma pequena parte de seu talento e sua obra eterna. Salieri então diz ” Eu falo por você padre, falo por todos os medíocres do mundo, eu sou o maior deles.”.

Mas de fato o filme mostra que a arte nasce em lugares cômicos e é capaz de despertar qualquer tipo de sentimento ou interesse entre os homens. A arte rodeia a vida do artista, ela mostra do que o artista foi feito. Mesmo sendo uma história fictícia, o dom de Mozart se mostra além de seu tempo. Pois ele era ousado e promiscuo, e tomava histórias promiscuas para demonstrar sua arte. A corte tradicional tão pouco reconhecia suas ideias, mas Heer Salieri amante da arte, almejava e reconhecia cada uma delas.

Ganhador de 8 Oscar, este filme não é menos que uma obra magnifica, e esta disponível na Netflix, corre assistir.

Hemilly Ramos
POR Hemilly Ramos

Olá, meu nome é Hemilly, 17, moro no interior do Paraná, feminista, caloura de Psicologia e cinéfila de plantão. Estou disposta a fazer amizades e ajudar as pessoinhas o tempo todo, e o objetivo principal é espalhar o amor!